MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO COBRA “POLÍTICAS DE VIDA” DA CÂMARA

Notícias 22/11/2018

No dia em que a morte de Zumbi dos Palmares é lembrada como símbolo do combate ao racismo, 20 de novembro, Lurdinha Mina, representante do Movimento Negro Unificado em Santa Catarina, foi enfática na tribuna da Câmara Municipal de Florianópolis: “Quantos projeto de lei essa Casa assinou para garantir a vida dos jovens de periferia? Qual política os senhores elaboraram para gerar emprego e renda às mães e mulheres negras?”, cobrou.

A Tribuna Livre foi um pedido do vereador Prof. Lino Peres, concedido antes da sessão ordinária ao MNU, organização que surgiu em São Paulo para denunciar o preconceito racial e que este ano completou 40 anos de enfrentamento e luta.

Ela criticou a Operação Mãos Dadas, em que a Polícia Militar realiza ações em comunidades da capital, como uma "política de morte", e pediu aos vereadores que criem "políticas de vida". Elaborar políticas públicas com recorte étnico-racial, e cobrar da prefeitura um comprometimento efetivo com a qualidade de vida das pessoas negras, foram questões elencadas por Lurdinha como obrigações dos 23 parlamentares de Florianópolis, a maioria deles pessoas brancas.

“Vidas negras importam, porque foram elas que construíram esse país. Na ancestralidade de cada homem branco aqui, há um escravizador. Vocês devem, para nós, reparações”, lembrou Lurdinha, na tarde do Dia da Consciência Negra.