LINO PROPÕE AUDITORIA PÚBLICA NAS CONTAS DO TRANSPORTE COLETIVO

Notícias 10/07/2018

A Câmara Municipal de Florianópolis promoveu no dia 5 de julho uma Audiência Pública para debater a composição da tarifa em relação à redução do óleo diesel depois da greve dos caminhoneiros, com a presença do secretário de Transportes, Marcelo Roberto da Silva. As falas do vereador Prof. Lino Peres e de sua assessora Elisa Jorge, ligaram a questão da mobilidade urbana em Florianópolis ao Direito à Cidade.

A lógica da prefeitura tem sido empresarial ao apoiar a sede de lucro das empresas que compõem o Consórcio Fênix, deixando de lado o bem estar e a justiça social para a população. A forma como é tratado o transporte coletivo em Florianópolis é exemplar de como fomos abandonados pelo Executivo.

A AP serviu para discutir debater a composição da tarifa em relação à redução do óleo diesel depois da greve dos caminhoneiros. Um exemplo do desmando na área do transporte: a Prefeitura gasta R$ 3 milhões ao mês com o subsídio social no transporte (estudantes, deficientes físicos e população de baixa renda) - apenas um terço do que gastou com a publicidade na mídia para enganar a população sobre as OS.

Como encaminhamento, Lino propôs uma auditoria pública nas contas do transporte coletivo de Florianópolis. Levantou também que a maior parte dos valores usados para o cálculo da tarifa é fornecida pelo próprio Consórcio Fênix, uma empresa que visa a maximização dos lucros. “Esse processo de cálculo deve passar por participação ampla da sociedade para que haja controle social desses números”, salientou Lino na tribuna.

Gean Loureiro afirmou em entrevista à mídia que não faria a revisão do preço da tarifa mesmo após a decisão do Governo Federal de dar desconto de R$ 0,46 centavos no preço do litro do diesel. Será que vamos continuar reproduzindo esse modelo que arrocha ainda mais a vida das trabalhadoras e trabalhadores?