NOVA MESA DIRETORA DA CÂMARA NADA MAIS É DO QUE TROCA DE CADEIRAS

Notícias 05/02/2020

Na primeira sessão de 2020, os vereadores Roberto Katumi (PSD) e Fabio Braga (PTB) renunciaram aos cargos de presidente e vice-presidente da Casa, respectivamente. A renúncia já vinha sendo anunciada por Katumi, que inclusive indicava o vereador do PTB como o futuro presidente, fazendo valer o “acordo” feito com a base aliada.

Até mesmo o prefeito Gean Loureiro, que esteve na Câmara de Vereadores para o seu pronunciamento anual, cumprimentou Fabio Braga como presidente horas antes da eleição da nova mesa diretora, o que só confirma que o resultado esperado pela base de Gean era a “troca das cadeiras" e foi prova viva e pública  do que nós  da oposição  vínhamos denunciando de que a Câmara Municipal está atrelada aos mandos do Gean e que não existe autonomia legislativa  pelo fisiologismo descarado da maioria governista dos vereadores e vereadora.

Nosso mandato foi contra este acordo, votando no vereador Vanderlei Farias, o Lela (PDT) para presidente e no vereador Marcos José de Abreu, o Marquito (PSOL) para vice-presidente. Lela recebeu 7 votos e Marquito 5, mas o que se confirmou foi o “acordo” da base governista de Gean na Câmara, elegendo Fabio Braga presidente e Katumi vice-presidente.

Ainda na sessão de segunda-feira, destacamos a fala do prefeito na tribuna. Estamos em ano eleitoral e o prefeito corre contra o tempo inaugurando e anunciando a todo custo novas obras pela cidade. Obras estas que, em algumas delas, se ignoram estudos ambientais e técnicos, a exemplo do engordamento da praia de Canasvieras, denunciada pelo nosso mandato no Ministério Público Federal. Pescadores e estudiosos protestaram em Audiência  Pública contra a Marina da Beira-Mar Norte, que inclusive recebeu proposta de uma única empresa.

Outro exemplo é a Estrada Parque, em que o prefeito se comprometeu com uma estrada ecológica e simplesmente jogou asfalto, que já nas primeiras chuvas do ano está se desfazendo. E assim são várias obras de pavimentação asfáltica, que ele batizou de "asfaltaço", que são mal executadas, com processo no TCE-SC, com desvio de recursos destinados às obras de recuperação  pela Casan e que  seguem a mesma postura demagógica do programa "tapete preto" na gestão do Dário  Berger (2004-2012), em que Gean Loureiro era seu secretário.

São muitos outros pontos que serão tratados e denunciados nas próximas sessões. Somos contra esse jogo de interesses e privilégios do governo Gean com uma postura nitidamente eleitoralista.